fbpx

Política de privacidade

March 24th, 2020 § Comments Off on Política de privacidade § permalink

Política de privacidade para Collezionista

Todas as suas informações pessoais recolhidas, serão usadas para o ajudar a tornar a sua visita no nosso site o mais produtiva e agradável possível.

A garantia da confidencialidade dos dados pessoais dos utilizadores do nosso site é importante para o Collezionista.

Todas as informações pessoais relativas a membros, assinantes, clientes ou visitantes que usem o Collezionista serão tratadas em concordância com a Lei da Proteção de Dados Pessoais de 26 de outubro de 1998 (Lei n.º 67/98).

A informação pessoal recolhida pode incluir o seu nome, e-mail, número de telefone e/ou telemóvel, morada, data de nascimento e/ou outros.

O uso do Collezionista pressupõe a aceitação deste Acordo de privacidade. A equipa do Collezionista reserva-se ao direito de alterar este acordo sem aviso prévio. Deste modo, recomendamos que consulte a nossa política de privacidade com regularidade de forma a estar sempre atualizado.

Os anúncios

Tal como outros websites, coletamos e utilizamos informação contida nos anúncios. A informação contida nos anúncios, inclui o seu endereço IP (Internet Protocol), o seu ISP (Internet Service Provider, como o Sapo, Clix, ou outro), o browser que utilizou ao visitar o nosso website (como o Internet Explorer ou o Firefox), o tempo da sua visita e que páginas visitou dentro do nosso website.

Ligações a Sites de terceiros

O Collezionista possui ligações para outros sites, os quais, a nosso ver, podem conter informações / ferramentas úteis para os nossos visitantes. A nossa política de privacidade não é aplicada a sites de terceiros, pelo que, caso visite outro site a partir do nosso deverá ler a politica de privacidade do mesmo.

Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses mesmos sites.

Fiotim na CBN

July 29th, 2016 § 0 comments § permalink

CBN

Porque não temos um Ai Weiwei no Brasil?

August 6th, 2015 § 0 comments § permalink

Ai Weiwei


Grupo de estudantes de arte pensa coletivamente e tenta responder essa pergunta. Veja principais pontos de reflexão abaixo.

Por João Correia
03/08/2015

No dia 28 de julho, a agência de risco S&P manteve a nota do Brasil, mas com ‘ameaça’ de corte (UOL). Ontem, a polícia federal prendeu José Dirceu (Valor). Sem entrar em detalhes, pois deles a imprensa já está cheia, não dá para descartar que estamos de fato, num periodo tenso da economia e da política nacional.

Nesse contexto, estudar um artista como o Ai Weiwei, que tomou para si a responsabilidade de contribuir com a sua vida e o seu trabalho para a mudança do quadro político do seu país, foi inspirador.

Resta a pergunta: porque não temos um Ai Weiwei, digo, um popular agente de mudança, por aqui também? Alguém que, assim como ele, represente a população brasileira e desafie o governo?

O nosso grupo refletiu sobre essas questões no ultimo encontro. Chegamos coletivamente, aos seguintes pontos:

1) unanimidade: é mais fácil produzir um ícone de reistência num contexto onde há uma batalha unânime (governo opressor chinês)? Me pergunto se a batalha contra a corrupção no Brasil não é unânime o suficiente.

2) estética: seria mais efetivo denunciar horrores com obras estéticamente envolventes? Houve consenso de que a forma para um conteúdo sofrido pode ter mais alcance se não for sofrida.

3) ação: basta comentar e representar ou precisa agir também? Avaliamos que se o público prestigiar os artistas cuja atuação vá além de comentários, teremos mais, e melhores, intervenções por aqui.

4) público: e o público, o que podemos aprender com os apoiadores do Ai Weiwei? Concordamos que, assim como os Chineses, podemos ficar atentos para fazer melhor o nosso papel como público investimendo nossa participação com consciência.

5) papel da arte: a arte pode de fato trazer alguma mudança política? Enquanto é comum achar que as duas esferas não se misturam, ou que a cultura atua num campo menos concreto, analisando a trajetória do Ai Weiwei ficou claro o contrário.

6) arte e ativismo: o ativismo dá função a arte e compromete a sua apreciação? Não, o grupo pareceu concordar que uma função, desde que a maestria estética seja mantida, pode dar um necessário sentido a produção artística.

Espero que quem não tenha vindo se beneficie das reflexões listadas acima e participe comentando remotamente também.

E agora, para onde vamos daqui? Para o próximo encontro!

Comprar arte com sabedoria está se tornando cada vez mais complexo.

January 28th, 2015 § 0 comments § permalink

HomePT

Aqui você vai encontrar informações sobre palestras, consultoria e artigos com um objetivo:
Desenvolver colecionadores confiantes.

.

Uma Realização Prematura do Potencial da Arte

January 21st, 2015 § 0 comments § permalink

Uma Realização Prematura do Potencial da Arte

“Ele bebia terebintina na mamadeira” – comentou um dos amigos do meu pai..

Entendendo os meandros da arte durante a infância

De fato, quando alguém nasce em uma família de entusiastas por arte há gerações, a vida fica populada com pequenos eventos artísticos que formam a soma de uma existência onde a arte protagoniza.

Engatinhar em galpões cheios de material artístico, escalar uma pensa de gravura para verificar se a qualidade da impressão está adequada aos quatro anos de idade ou ir fazer compras de kilos e kilos de pigmento com o avô foram apenas algumas das minhas rotinas quando criança. Além disso, nós chegamos a fazer o nosso próprio papel manual e revelar fotos de pinturas nós mesmos no nosso laboratório de fotografia.

Joao C @ Artist's Studio

Até mesmo pequenos eventos do dia a dia, como cozinhar, tinham suas próprias implicações artísticas. Eu me lembro consistentemente do meu pai e avô trazendo ingredientes normalmente usados para fazer bolo, mas usando eles para tentar alcançar a alquimia que os pintores da renacença empregavam na mistura de pigmentos e preparação de tinta.

Conversas nunca eram triviais; elas sempre terminavam num debate vibrante sobre uma posição política ou um movimento artístico específico com visitantes de todas as disciplinas da vida. Nossa rede de amigos e conhecidos incluia escritores, políticos, cientistas e empresários. O que parecia natural na época parece incrível hoje: conversas fluiam de encontros com figuras políticas como o ex-presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, e meu avô se referia em primeiro nome a personalidades como Fidel Castro, Diego Rivera, Julio Cortázar, Sebastiao Camargo, e Henri Cartier – Bresson. Me lembro também de ouvir e conhecer o lendário escritor de arte francês Jean Leymarie e não há dúvida que ter crescido nesse contexto ajudou a pavimentar o caminho que eu seguiria quando adulto.

Não é preciso dizer que, quando eu chegava em casa da escola, e a lição de casa envolvia redações com ilustrações ou preparação de maquetes – toda a família aproveitava a oportunidade de contribuir para o resultado final. Longas noites foram gastas com as mãos de três gerações trabalhando duro para executar ilustrações solicitadas por professores inoscentes, que esperavam nada superior em criatividade do que os homens palitos que as crianças tipicamente desenham.

E foi assim que eu acabei fazem quadros desde os sete anos de idade. Mas ser um artista não me pareceu o suficiente. Eu ganhava o dinheiro que eu gastava na cantina da escola vendendo minhas obras de arte infantis para as pessoas, e isso me levou a apreciar não somente o valor cultural da arte que eu via no dia, mas também, a realização precoce do potencial da arte como negócio.

Se tornando criativo também no comércio de arte

E foi aí que o lado da minha mãe na família veio a fazer parte do quadro. A família dela fundou uma casa de leilões em São Paulo em 1979, quando eu tinha apenas 3 anos de idade. E, mesmo se eu cresci testemunhando como era a vida no negócio familiar, eu não me envolvi com o comércio de arte até os onze anos. Nos estávamos produzindo até 5 leilões por dia; e lá estava eu, negociando pinturas, apresentando elas para os clientes, assistindo o leiloeiro, ajudando com a contabilidade do negócio. Pinturas de figuras icônicas da arte Brasileira como Tarsila do Amaral, Bonadei, Portinari, Flavio de Carvalho e Alfredo Volpi foram vendidas nesses eventos, e eu estava cercado por elas diariamente.

Uma vez, uma falta de luz interrompeu o acontecimento de um leilão, mas isso não interrompeu uma negociação na qual eu, ainda jovem, fechei um negócio com um colecionador no escuro. Aos 17 anos, eu já tinha poupado $50,000 USD dos lucros das minhas atividades com leilões, e nessa época eu sabia que o que eu queria fazer era ser um empresário nas artes.

Eu gostaria de poder reinvindicar autoria completa nessa genial tomada de decisão. Mas eu não posso. Meu avo já tinha, repetidamente, falado como o mercado de arte no Brasil era cheio de furos, com um bom Gruyere. Um desses furos era a falta da existência de empreendedores nas artes capazes de promover e vender as maravilhas artísticas sendo feitas pelos artistas… e então, foi fácil para mim, juntar dois mais dois.

Como um bom Gruyere, vários anos de aprendizado depois, aqui estou eu.

Sem juízo 7